Tempo de leitura estimado: 3 minutos

Project Runway é um reality show de TV sobre design de moda onde os competidores competem para criar as melhores roupas. Os finalistas do desfile preparam coleções completas de moda para a Semana de Moda de Nova York e, finalmente, os jurados escolhem um vencedor. Até aqui, zero surpresa.

No entanto, um episódio da 17ª temporada do programa que foi ao ar em 28 de março de 2019 é (no contexto atual) um tanto quanto estranho.

Uma participante chamada Kovid Kapoor apresentou orgulhosamente uma roupa que apresentava uma máscara facial combinando com uma roupa que, particularmente, me parece até um pijama – talvez o tipo de roupa mais usado durante o lockdown. Aqui está o vídeo:

https://www.youtube.com/watch?v=tikwlE_r5gM

EDIT:

Aqui ESTAVA o vídeo!!! Mas ora ora, não é que ele foi tirado do ar?
Sem problemas, logo abaixo deixo uma outra versão do vídeo, publicada por outro canal do YouTube.

Naquele vídeo (tirado do ar), a juíza diz “Eu amoooo o look de Kovid”.

Ela então pede à modelo para colocar a máscara de volta. Quando um juiz pergunta “O que você acha dessa máscara?”, outro juiz responde “É doentio”. Pode ser apenas uma expressão, mas a escolha das palavras é certeira. O mesmo juiz também diz: “Você pode respirar aí dentro?”.

Na Semana da Moda em Milão, em 2019, as máscaras apareceram num formato, digamos, mais convencional, como máscaras de carnaval.

Fonte: Fashion Network

Um ano depois, um vírus chamado COVID fez com que governos de todo o mundo obrigassem as pessoas a usar máscaras faciais. Desde então, inúmeros estilistas criaram roupas com máscaras combinando.

Coincidência?

Isso tudo é uma coincidência insana? Ou é mais um caso de programação preditiva, como o livro The Eyes of Darkness, o filme Contágio, o clipe dos Simpsons sobre uma “gripe de gato” e a série Utopia? Seria este episódio do Project Runway mais um exemplo da elite oculta apreparar o público para seus planos em um nível subconsciente?

No mínimo, parece haver alguma sincronicidade em jogo aqui.

Cunhada por Carl Jung, a sincronicidade é definida como “a ocorrência simultânea de eventos que parecem significativamente relacionados, mas não têm conexão causal discernível”. Jung descreveu esses eventos como “coincidências significativas”. Ele também acreditava que elas acontecem por uma razão. Talvez o universo esteja, de alguma forma, tentando nos dizer algo. Como, talvez, que há forças obscuras em jogo em torno desta crise COVID.

É claro que a agência Reuters já está correndo para espalhar seu fact check, dizendo que tudo não passa de uma mentira, que Kovid queria apenas remeter a máscara à poluição. E como uma das mais importantes agências de notícias do mundo, ela vai espalhar seus fatos para todas as mídias de massa, incluindo sites e blogs de todos os cantos.

Mas, quem disse que é pra gente descobrir alguma coisa? Temos mesmo é que ficar como cegos, acreditando que somos burros guiados por uma teoria da conspiração – que, diga-se de passagem, só se mostrou verdadeira até o momento.

Eu não acredito em coincidências. E você?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.