Tempo de leitura estimado: 13 minutos

Fiquei muito tempo sem publicar nada no site, mantendo apenas minhas observações no Facebook, território pouco hospitaleiro para quem pensa. Se você tem uma conta por lá, possivelmente também se sinta assim.

Hoje trago uma análise sobre o filme Songbird, um lançamento curioso que foi filmado, ora ora, quando todos nos mandavam ficar em casa. Esta análise não é originalmente minha. Foi publicada pelo site The Vigilant Citizen, que eu sigo há alguns bons anos. No entanto, procurarei pontuar algumas coisas que talvez não estejam no texto original. Deixarei com esse destaque para você saber disso.

Vamos lá:

No momento de escrever essas linhas, o mundo está entrando em seu nono mês de “vida pandêmica”, caracterizado por vários graus de confinamentos, repressão a encontros sociais, mandatos de máscaras varrendo, vigilância de alta tecnologia e o estabelecimento de uma tirania sem rosto baseada em estatísticas e números.

Enquanto as pessoas procuram maneiras de acordar desse cenário noturno, Hollywood teve uma ótima ideia: vamos fazer um filme sobre tudo o que está acontecendo agora – mas pior.

O próximo filme Songbird é definido como um “thriller pandêmico” (há algo “emocionante” sobre uma pandemia?) acontecendo em 2024. Dirigido por Hollywood staple Michael Bay ( Transformers, The Purge, A Quiet Place ), o filme é sobre COVID-23 (uma mutação de COVID-19) transformando a América em um pesadelo distópico, completo com campos de quarentena. A Wikipédia descreve a premissa do filme da seguinte forma:

Em 2024, o vírus SARS-CoV-2 sofreu mutação e o mundo está em seu quarto ano de pandemia. Americanos infectados são retirados de suas casas e forçados a campos de quarentena chamados Q-Zones, onde alguns lutam contra as restrições brutais. Um entregador de motocicletas, Nico, que tem uma imunidade rara, está em um relacionamento com Sara, uma jovem artista cujo confinamento os proíbe de contato físico. Quando acredita-se que Sara tenha se infectado, Nico corre pelas ruas vazias de Los Angeles na tentativa de salvá-la.

O que me chamou a atenção aqui foi o nome Q-Zones. Estaria o autor se referindo a um campo de concentração onde os prisioneiros seriam os seguidores de Q Anon? Se você nunca ouviu falar de Q Anon, trata-se do informante que estaria trazendo grandes revelações sobre o Deep State. Podemos tratar disso num outro post. Fato é que ele representa um opositor do Deep State, publicando periodicamente drops de revelações, muitas vezes codificadas, contendo links de tweets e possíveis documentos do governo americano. Ele parece um insider que atua contra o que nós também lutamos.

Songbird foi criado, filmado, e (em breve) lançado em tempo recorde. A produção principal começou em 8 de julho e terminou em 3 de agosto. Foi o primeiro filme a ser filmado em Los Angeles durante o confinamento COVID-19. As filmagens foram inicialmente interrompidas pelo SAG-AFTRA (Screen Actors Guild), mas a permissão para filmar foi concedida no dia seguinte. Acho que eles entenderam que essa narrativa tinha que ser lançada ao público o mais rápido possível.

Falando em narrativas, o filme foi criado em colaboração com um estúdio de conteúdo digital apropriadamente chamado Invisible Narratives . Fundada por Adam Goodman, ex-presidente da Paramount Pictures e da Dreamworks SKG, a empresa se descreve como “narrativa disruptiva que alimenta a cultura em parceria com pessoas de influência”. Em outras palavras: propaganda de elite oculta.

O slogan da empresa também é extremamente adequado, pois também se aplica à elite oculta como um todo: escondida à vista de todos.

Resultado de pesquisa no Google para Narrativas Invisíveis e seu slogan sinistro.

Basta assistir ao trailer oficial de Songbird para entender do que se trata: Programação Preditiva. Aqui está um olhar para este pedaço de suposto “entretenimento”.

Explicação rápida para o termo Programação Preditiva: uma forma sutil de condição psicológica fornecida pela mídia para familiarizar o público com as mudanças sociais planejadas a serem implementadas de maneira geralmente global.

Trailer

Por alguma razão, o autor dessa análise não incluiu o vídeo do trailer. Porém, eu sugiro que você assista ANTES de prosseguir com a leitura:

O trailer de Songbird começa com um uso muito irônico da música Three Little Birds, de Bob Marley, na qual ele repete que “cada coisinha vai ficar bem”. Tenho certeza que Marley não teria aprovado o uso de sua música no contexto insanamente opressivo do filme. No entanto, Hollywood adora envenenar conteúdo saudável e otimista com sua agenda de pavor e escuridão, então ela pagou pelos direitos da canção e foi o fim dela.

Uma coisa é certa, cada coisinha não está bem em Songbird. Enquanto a canção pára momentaneamente, ouvimos um anúncio dizendo:

“O toque de recolher está em vigor. Todos os cidadãos não autorizados devem ficar dentro de casa.

Ao ouvirmos essas palavras, os espectadores são tratados com uma série de paisagens perturbadoras.

Rodovias inteiras estão fechadas porque as pessoas estão proibidas de viajar para qualquer lugar.

Um parque de diversões abandonado com as palavras spray “condenado” pintado em uma parede. A diversão está morta.

Detalhe: olha a praia ao fundo… DE-SER-TA. Estamos condenados a viver numa cidade fantasma?

Um outdoor sombrio mostrando mais de 8 milhões de mortes em 2024 enquanto ordenava que as pessoas ficassem dentro de casa. Esse tipo de porcaria orwelliana já existe agora.

Lembrando que 2024 ainda é período governado por quem será eleito em 2020. Quem será o escolhido que permitirá este rumo à História?

Então, ouvimos um apresentador falando sobre a “213ª semana de confinamento”, o que significa que o confinamento de 2020 nunca terminou.

E não é à toa que, ao findar as eleições, cá estamos novamente na fase amarela em todo o Estado de São Paulo. O governador (dita)Dória se contradisse e espalhou fake news. Em 17 dias, este tirano mudou de ideia completamente. Será que mudou mesmo? Não, é tudo um teatro, você sabe disso. Mas, voltando ao trailer…

Em 2024, as pessoas ainda estão sendo bombardeadas com as mesmas notícias pandêmicas que estamos vendo agora.

Neste triste contexto, milhões de americanos infectados estão detidos em campos de quarentena. O mesmo conceito de campos de quarentena também foi retratado em Utopia (uma série bizarramente profética ) e Contágio (outra peça de programação preditiva de 2012).

As palavras “Vamos sair!!!” e “Ajuda” implicam fortemente que as pessoas estão sendo mantidas contra sua vontade em condições terríveis.

Na minha tradução pessoal e livre, entendo “let us out!!!” como “deixe-nos sair!!!”. Outra coisa que achei curiosa: está todo mundo em casa, mas parece que as chaminés das indústrias não pararam com seus poluentes. Seriam os donos do mundo? Os que pagaram um extra para poder trabalhar? Quem são os donos das chaminés?

Massas de pessoas infectadas são amontoadas em campos decrépitos monitorados por helicópteros pairando.

Pessoas que não estão infectadas vivem em confinamento fortemente controlado e interminável. A tecnologia usada para controlar as pessoas está longe de ser “ficção científica”. Estamos cerca de 80% lá na vida real.

O protagonista do filme mostra uma pulseira provando que ele é imune a soldados mascarados a gás patrulhando as ruas.

O conceito de uma pulseira de imunidade já foi introduzido às massas no já citado filme Contágio.

Uma captura de tela do filme Contágio. As pessoas que tomaram a vacina receberam pulseiras com códigos de barras para entrar em espaços públicos.

A ideia de “passaportes de imunidade” ou “pulseiras de imunidade” já está flutuando na vida real e filmes como Contágio e Songbird ajudam a normalizá-lo ao público.

Telefones são usados para escanear rostos e detectar doenças.

Na captura de tela acima, o telefone detecta uma anomalia. Uma voz semelhante a Siri então diz:

“Guardas armados chegarão em quatro a seis horas. Você não deve tentar sair de sua casa ou você será baleado à vista”.

Acho que é hora de desinstalar este aplicativo e dar-lhe uma avaliação ruim.

As autoridades entram em uma casa para mandar um cidadão à força para um campo de quarentena.

Entretenimento?

Considerando o fato de que este filme se passa em um futuro muito próximo, usa o nome de um vírus real que está atualmente destruindo o mundo inteiro, que se passa em locais reais (ou seja, cais de Santa Monica), e envolve organizações governamentais reais, ainda podemos chamar isso de “entretenimento”? Aqui está a definição oficial da palavra:

1- o ato de entreter; ocupação agradável para a mente; desvio; Diversões
2- algo que proporcione prazer ou diversão, especialmente uma performance de algum tipo.

Não consigo imaginar ninguém recebendo “prazer ou diversão” assistindo a uma versão ainda pior da pandemia atual. Se COVID-19 (e a histeria ao seu redor) foi uma facada no estômago de alguém, Songbird é o equivalente a um idiota de Hollywood cutucando-o com seu dedo gordo.

Não é preciso um “teórico da conspiração” para ver que há algo errado sobre essa narrativa no contexto de hoje. Aqui está um trecho de um artigo do Movie Blend sobre Songbird:

Em outro contexto,  Songbird  parece divertido, mas não parece que está abrindo uma conversa valiosa. Parece que existe apenas para adicionar extremos e valor de choque a uma experiência coletiva já traumatizante que todos nós ainda estamos processando diariamente. Para alguém pular dois anos no futuro usando os eventos reais acontecendo agora como ponto de referência não é criativo ou interessante. É impiedoso e frio. Imagine literalmente qualquer outro evento mundial traumatizante fazendo isso enquanto estávamos no meio dele. Se estivéssemos no meio da Segunda Guerra Mundial, acha que iríamos querer ver uma circunstância imaginada onde piorasse? Não, é por isso que musicais e desenhos animados começaram a ficar super populares naquela época.

A verdade é que Songbird não foi criado para o nosso entretenimento. Trata-se de plantar ideias e conceitos em nossas cabeças coletivas. Trata-se de normalizar novos níveis de tirania e histeria, apresentando-os como uma evolução lógica do contexto atual. Em suma, trata-se de programação preditiva.

Allan Watts definiu originalmente “programação preditiva” da seguinte forma:

“A programação preditiva é uma forma sutil de condicionamento psicológico proporcionada pela mídia para familiarizar o público com mudanças sociais planejadas a serem implementadas por nossos líderes. Se e quando essas mudanças forem submetidas, o público já estará familiarizado com elas e as aceitará como progressões naturais, diminuindo assim possíveis resistências e comoção do público.”

É por isso que esses filmes existem. Mesmo que a vida real não atinja os níveis de insanidade de Songbird (vamos esperar que sim), tais filmes criam precedentes em nosso inconsciente coletivo. Se novas restrições forem introduzidas ao público, as pessoas dirão que “pelo menos não é tão ruim quanto no Songbird”.

Resumindo, nenhum de nós precisa assistir a esta sessão de lavagem cerebral disfarçada de filme. E todos nós precisamos ter certeza de que nenhuma de suas insanidades se infiltra na vida real.

E meu recado final é: PAREM DE APLAUDIR HOLLYWOOD. Eles são doentios, estão sendo muito bem pagos para fazer uma lavagem cerebral capaz de fazer você, sua família e seus amigos aceitarem QUALQUER COISA.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.